Jornal da Praceta

informação sobre a freguesia de Alvalade

(Alvalade, Campo Grande e São João de Brito )




















Jardins e Parques






 






 

Mata de Alvalade/Parque José Gomes Ferreira ao abandono

Depois de importantes obras de requalificação, nomeadamente na construção do Parque Aventura (inaugurado em Abril de 2014), todo o espaço está hoje abandonado e os seus equipamentos a saque. Mais 

Cães no Jardins, pior que os pombos nos telhados?

Nos últimos anos centenas de milhares de euros dos contribuintes portugueses tem sido gastos pela CML e a Junta de Freguesia de Alvalade a requalificar os jardins e outros espaços verdes da freguesia. Mal as obras são dadas por concluídas já os donos dos animais os estão a usar para os cães fazerem as suas necessidades e se divertirem a destruírem tudo o que neles está plantado.

Muitas campanhas tem sido lançadas apelando ao civismo dos donos dos animais, mas nada dos demove nesta ação destrutiva dos espaços públicos. Os donos dos cães tornaram-se em Lisboa numa praga cujos danos que provocam à cidade são superiores aos dos pombos.  Mais

Um "típico" lisboeta que não encontrou melhor sítio para passear o cão do que um canteiro onde as plantas haviam acabado de ser postas (nada resiste a estes animais). Foto: Av. Rio de Janeiro. Outubro de 2016.

Varandas Floridas da Biblioteca do Coruchéus

 Em Setembro de 2015 que Zélia Sakai trouxe uma vida nova às varandas deste palacete de Alvalade, mas foi sol de pouca dura. De acordo com a tradição bem portuguesa, passado pouco tempo, aquilo que foi criado ou renovado, devido à falta de conservação acaba abandonado, numa completa a ruina. Em Maio de 2017 já não restavam vestígios das varandas floridas na Biblioteca dos Coruchéus. Mais

Hidroponia em Alvalade

Em pleno centro da freguesia de Alvalade existe uma magnifica horta vertical hidropónica. Aqui se cultivam entre outros legumes saborosas alfaces. Sabe onde fica?

 
 

Jardins do Hospital Júlio de Matos

Sabia que desde 19 de Junho de 2013 os 22 hectares do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa, vulgo Hospital Júlio de Matos, estão abertos ao público entre as 7 da manhã e a 1 hora da noite. Pode passear, andar de bicicleta, frequentar os seus vários cafés e ver uma das muitas exposições de arte que ao longo do ano aqui são realizadas. Aproveite pela sua saúde !

 

Pequenos Jardins em Alvalade (logradouros)

Quem não adoraria ter à frente da casa um pequeno jardim? Viver rodeado de espaço verdes? Aparentemente muito raros seriam os que não gostariam de ter possibilidade.

A verdade é que no Bairro de Alvalade, concebido para ser uma "cidade jardim", uma larga percentagem da sua população acabou por destruir os pequenos jardins, cobrindo-os de cimento, ocupando-os com com construções clandestinas ou transformando-os em lixeiras. Mais

Pequenos Jardins de bairro (públicos)

Os pequenos de Lisboa estão há muito a  ser deixados ao abandono pelos serviços camarários. A política parece ser transformá-los em parques de estacionamento ou simplesmente abandoná-los. Nesta voragem nada escapa. Pontualmente em alguns destes jardins são feitas limpezas e pequenas melhorias, mas rapidamente esta preocupação desaparece. Tudo volta ao normal, o mesmo é dizer a um rápido processo de degradação. Mais

Logradouro na Av. do EUA/Av.Gago Coutinho. Foto de John Rosas Baker,12/10/2015


 

Jardins do LNEC (não) vão abrir ao público !

Ao contrário do que se tem afirmado o Campus do LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil não será aberto à população, mesmo fossem feitas grandes restrições. O Gabinete de Relações Públicos do LNEC confirmou-nos esta decisão no passado dia 19/11/2015. Ao contrario dos desejos da população e do vereador camarário José Sá Fernandes, o LNEC pretende manter a sua política de portas fechadas até que todos os seus antigos funcionários sejam reformados. Depois talvez haja alguma mudança.

Entretanto a solução encontrada, para satisfazer todas as partes, foi criado um pequeno "corredor" que começa num portão na Av. do Brasil e termina noutro na Rua das Murtas/2ª. Circular. Desta forma dá-se continuidade ao tão desejado "Corredor Verde" de Lisboa.  Mais

 
 

Plano Verde do Concelho de Lisboa

Lisboa está a transformar-se numa cidade cada vez menos atractivo para se viver, possui elevados níveis de poluição e amplas zonas com um urbanismo caótico e agressivo.  A questão do Plano Verde volta de novo a colocar-se, numa autarquia completamente descredibilizada. Mais   

 
 

Doenças Contagiosas nos Jardins Públicos

A proliferação de cães e gatos nos jardins públicos transformou estes espaços de lazer num perigo para a saúde pública. As crianças são as grandes vítimas desta invasão, pois são particularmente vulneráveis a doenças infecto-contagiosas transmissíveis por parasitas que se escondem nos cães e gatos. A situação atingiu proporções alarmantes quando se tornou moda, em Lisboa, os donos destes animais usarem a relva dos jardins para os mesmos defecarem. Esta não tardou a tornar-se num espaço emporcalhado e mau cheiroso. 

Entre as doenças transmissíveis pelos animais, conta-se a toxocarose, uma das principais doenças parasitárias que se transmite por via oral, podendo dar origem, entre outros, a problemas de fígado.  

 
 

Jardim do Campo Grande

Recuperação da zona sul

Após a recuperação do parte norte do Jardim do Campo Grande, prossegue a bom ritmo as obras de requalificação da parte sul do jardim (iniciadas em Outubro de 2016). A  abertura do ginásio dos espanhóis da Ingesport foi tem sido sucessivamente adiada, e lá acabou de abrir no dia no dia 17/04/2017 .

A reabilitação do jardim implica só por si uma profunda mudança nesta zona da cidade, dada a sua centralidade. Um dos projectos ganhadores do Orçamento Participativo de 2016 na CML prevê a construção de uma passagem aérea entre a parte sul e a norte do Jardim do Campo Grande.

Projecto da Ingesport para o Jardim do Campo Grande (zona sul). A concessão dada em 2012 pela CML é por 40 anos.

As piscinas  municipais do Campo Grande foram entregues, em 2012, a  uma empresa privada (Ingespor) numa típica negociata camarária. O objectivo era criar neste espaço um grande ginásio com múltiplas valências. 

Apenas em Novembro de 2014 foram montados taipais à volta das antigas piscinas. O inicio das obras só ocorreu em 2016 . A data de abertura do ginásio foi anunciada para Janeiro de 2017, mas em Abril, as piscinas ainda não tinham sido inauguradas, mas os mais de 15 mil pessoas já tinham pago avultadas inscrições ....

Recuperação da zona norte

António Costa, com grande aparato mediático, no dia 24/3/2011 apresentou um mega-projecto para reabilitação do jardim do Campo Grande. Prometeu que em breve seria recuperado o "Caleidoscópio" , o ringue de patinagem, os cortes de ténis, o lago, etc., etc.

O discurso não era novo. João Soares, Santana Lopes, Carmona Rodrigues e outros prometeram o mesmo, mas resultado foi sempre o mesmo: abandono e degradação do espaço público.

A custo as obras de recuperação da zona norte do jardim, arrancaram só a 1 de Setembro de 2012. Os trabalhos  avançaram muito devagarinho, para só estarem "concluídos"  perto das eleições autárquicas ( 29 de Setembro de 2013 ). A incompetência foi tal que ó jardim só foi reaberto em Novembro, mas sem as obras estarem concluídas.

O "Caleidoscópio" foi cedido em Março de 2011 à Universidade de Lisboa (UL), para ser transformado num centro académico.  A Universidade de Lisboa que prometeu uma recuperação rápida do Caleidoscópio, não tardou a alegar falta de verbas para iniciar as obras. A solução passou por encontrar um parceiro para explorar o edificio e financiar as obras. O parceiro encontrado foi a McDonald`s que construiu um restaurante (140 lugares), uma esplanada (60 lugares) e um McDrive. O Centro Académico acabou por ser aberto, mas muito mais tarde (princípios de 2016).

Os Cortes de Ténis e o ringue de patinagem foram entregues também a UL que os transformou em campos de Padel.

O lago e a "Ilha" foram recuperados. A "tasca" imunda que ocupava a ilha deu lugar a um café-restaurante bastante agradável.

Foi criado um espaço canino.

O jardim foi iluminado;

Após estas sucessivas obras, a parte norte do Jardim do Campo Grande, adquiriu uma vida que já não conhecia desde os anos 80 do século XX quando foi votado ao mais completo abandono por parte da CML.

Devido ao incontrolável ataque do escaravelho-vermelho (Rhynchophorus ferrugineus ) a emblemática Alameda das Palmeiras está a desaparecer, dezenas das quais já morreram. Muito em breve não restará nem uma.

Imagem da parte do jardim do Campo Grande reabilitada. Janeiro de 2015

Restaurado o Monumento aos Jardineiros de Lisboa

Após longos anos ao abandono, o único monumento que faz uma homenagem aos jardineiros da cidade, datado de 1985, foi finalmente restaurado. Na abertura ocorreu no dia 29/12/2015, perante a  mais completa indiferença, nomeadamente por parte dos homenageados.

 
 

Aprenda Matemática no Jardim do Campo Grande

Uma das curiosidades da requalificação deste jardim é um percurso por acontecimentos que desde Pedro Nunes marcaram o desenvolvimento desta ciência, e ter instalado jogos e equipamentos para estimular a flexibilidade mental. Mais

 
 

Registos de Arquivo

Durante longos anos o jardim e os equipamentos do Campo Grande foram votados ao mais completo abandono. O vandalismo e a criminalidade passaram a imperar nestes espaços públicos de lazer.

Jardim do Campo Grande: Abandono e Vandalismo (I)

 
 

A CML,  em Abril de 2003, anunciou que iria promover a re-qualificação do jardim. A partir daqui foram sendo anunciados vários mega-projectos para a recuperação do Jardim que nunca concretizados.

Jardim do Campo Grande: Mega-Espaço Jovem (II)

 
 

A incúria da CML não tinha limites. O património artístico que lhe está confiado no Jardim do Campo Grande foi abandonado. Alguns exemplos: Painéis de Azulejos de João SeguradoPainel de Azulejos de Júlio Pomar Estátua de Canto da Maia Lisboa de Jorge Barradas. Ninguém apurou responsabilidades, o desleixo na autarquia é total.

Jardim do Campo Grande: Património ao abandono (III)

O abandono que a CML havia votado o Jardim reflectia-se em toda a sua envolvente. A Alameda da Universidade estava um caos, mas não só...

Bons e Maus Exemplos

 
 

 

Privatização Equipamentos Desportivos Municipais

A CML, incluindo a Assembleia Municipal e as 53 Juntas de Freguesia andaram durante anos a alimentar bandos de parasitas, encontrando-se actualmente falida e endividada. Há muito tempo que deixou de ter recursos para sustentar muitos dos equipamentos culturais e desportivos da cidade. Um a um foram sendo abandonados, como as conhecidas piscinas do Campo Grande, Areeiro e Olivais. 

Face a este panorama, a CML dirigida por António Costa (2007-2014), em vez de fazer uma profunda reforma na CML de modo a acabar com a parasitagem, optou pelo processo mais simples: manter a parasitagem e alienar os equipamentos desportivos e culturais da cidade.

A prosseguir esta política, dentro em breve, a CML deixará de prestar qualquer serviço aos municipes, concentrando-se apenas na recolha de recursos públicos para alimentar uma estrutura parasitária. 

Parques e Grandes Jardins de Lisboa

Observando a política camarária sobre os espaços verdes é notório que a CML nos últimos anos apostou claramente na criação de grandes espaços verdes, em detrimento dos pequenos jardins de bairro. Se estes parques permitem uma maior economia nos custos de manutenção, não deixam de alterar contudo a relação do lisboeta com a sua cidade. Os hábitos de convívio associados aos pequenos jardins estão a ser substituídos pelos percursos ruidosos dos "grupos" que vagueiam pelos parques. Mais

 
 

Jardim da Rua José Lins do Rego

Um caso que fez correr muita tinta e que ilustra a forma como grupos mafiosos dominam a CML, a Assembleia Municipal e as Juntas de Freguesia.

 
 

 

 

 





 

Entrada


História local

Guia do Lazer

Quiosque

 

 










 

Recordando...

Ribeiro Telles foi afastado da CML por Santana Lopes, dado que não estava disposto a pactuar com mais atentados contra o ambiente e a completa degradação da vida na cidade.

(Jornais de 15/1/2003)

Entre outros projectos que realizou para a CML conta-se um estudo para a reabilitação dos logradouros do Bairro de Alvalade.