Jornal da Praceta


Informação sobre a freguesia de Alvalade

(Alvalade, Campo Grande e São João de Brito )

 

    Anterior

 

 

Museu da Cidade de Lisboa

Desde 2001 que temos denunciado o estacionamento ilegal frente ao Museu da Cidade de Lisboa, por parte dos funcionários do museu ( ! ). O local está bem servido de transportes públicos, a cerca de 10 metros existe um enorme parque de estacionamento e uma estação bicicletas partilhadas. Ao longo dos anos falamos com vários directores e dirigentes camarários, prometeram acabar com a impunidade, mas nada fizeram. A situação em fins de 2019 era a mesma de 2001: um caos e um mau exemplo para os municipes. A remodelação do Piso 0 caminha a conta gotas...

Mudança ?

Em 2013 a direcção do Museu da Cidade mudou. A satisfação foi enorme. Esperava-se (e deseja-se) com alguma ansiedade que ocorressem mudanças profundas no museu. A situação anterior era um verdadeiro crime público, tal era a dimensão do laxismo e da incompetência.

Estacionamento

Durante  muitos anos a Direcção do Museu da Cidade transformaram a entrada num caótico parque de estacionamento  para os respectivos funcionários. Estes estacionavam por todo o lado: na relva, canteiros de flores, passeios, etc. Por mais estranho que pareça, neste local,  existem várias placas indicando é proibido estacionar. Os funcionários da CML acham e continuam a achar-se acima da lei.

Em caso de incêndio os bombeiros encontrarão as entradas do Museu completamente bloqueadas. Uma singular preocupação com as questões da sua segurança, a não ser que o objectivo seja criar as condições para a destruição total dos seus acervos. 

Os visitantes apesar de terem passeios, são obrigados a circular nas ruas. 

Este é o exemplo que a CML dá aos cidadãos nacionais e estrangeiros das regras de estacionamento que vigoram na cidade: a bandalhice !

O interior do museu foi alvo de algumas (pequenas) mudanças entre 2013 e 2017, mas o estacionamento caótico e ilegal dos funcionários camarários continuou.

2003

O pequeno largo em frente do Museu da Cidade foi transformado num parque privativo dos funcionários da CML. 15/10/2003

As viaturas dos funcionários camarários, a esmagadora maioria das que se encontram no local, estão todas devidamente identificadas.  15/10/2003

Os funcionários camarários estacionam preferencialmente nos passeios, mas também no relvado e até nos canteiros, dando desta forma o exemplo aos visitantes. 15/10/203

2016

O espaço assinalado para os funcionários estacionarem as viaturas estava quase deserto.

O espaço cujo estacionamento era proibido, mesmo à frente do museu estava quase sempre repleto de automóveis de funcionários camarários. Um habito que nenhuma direção do museu ou mesmo a Policia Municipal de Lisboa consegue alterar. Foto: 29/01/2016

 

A entrada principal do museu está repleta de automóveis de funcionários camarários, os quais dificultam a visita a um pequeno jardim exterior. O próprio palácio Pimenta fica deste modo diminuído na sua dignidade por aqueles que era suposto terem por missão dignificá-lo. Foto: 29/01/2016

2019

Tudo continua na mesma. Foto: 13/11/2019

O privilégio ( e o mau exemplo) continua. Foto: 13/11/2019

Organização

O caos do estacionamento estava em sintonia com a organização do museu. Quem o visitava esperava encontrar um conjunto que peças representativas das várias épocas da cidade de Lisboa, mas o que aqui encontrava eram peças avulso cuja ligação e contexto histórico ninguém conseguia perceber. Uma situação inconcebível tendo em conta as três que dezenas de funcionários que aqui trabalhavam.

Muitas das mais interessantes peças do museu, por incrível que pareça, estavam amontoadas nas chamadas "reservas", isto é, espalhadas por escadas, salas de trabalho, gabinetes, etc., sem as mínimas condições de segurança e de preservação do acervo patrimonial. Um crime!

Património

A "nora" do Museu da Cidade foi durante longos anos um dos motivos mais interessantes do edificio. Testemunhava a dimensão rural dos palacetes nos arredores da cidade, mas também mostrava aos visitantes um dos engenhos mais utilizados para tirar água nesta região do país. Neste sentido foi sempre cuidadosamente preservada. Após 1984 foi votada ao abandono até se transformar numa ruína, rodeada de lixo por todos o lados. Facto só por si espelha a incúria como o património da cidade está a ser tratado.

O que resta da antiga Nora foi " artisticamente" rodeado de caixotes do lixo, pedras, entulho de obras e tudo o que calha. A partir da rua  é esta a primeira visão que o visitante têm do conteúdo do Museu  (foto: 2004). Uma imagem elucidativa da forma singular como a CML preserva e expõe o património da cidade de Lisboa que lhe está confiado.

Ao fundo, sempre enquadrada pelos omnipresentes caixotes do lixo e entulhos variados, destaca-se a estátua original da Eça de Queirós que esteve num largo junto ao Chiado (foto: 2004).

Palavras para quê? O Eça já disse tudo sobre este tipo de gentalha que hoje trata a sua memória desta maneira.

A ruina que se observa da rua. Foto: 13/11/2019

A ruina vista do Museu. Foo: 13/11/2019

É suposto que o Museu da Cidade de Lisboa entre outras missões, tenha a de divulgar o património da cidade em todas as suas dimensões. Só o conhecendo os munícipes estarão mais predispostos preservá-lo e a valorizarem aquilo que a todos pertence.  A verdade é que este museu, nos últimos tempos, quase nada têm feito para corresponder a este objectivo.  

Indignidade

A administração autárquica em Portugal, como ilustra este caso, tem constituido um dos principais obstáculos ao desenvolvimento económico, social e cultural do país. O Museu da Cidade de Lisboa (Palácio Pimenta), em particular, tem prestado ao estudo e divulgação da história de Lisboa um serviço indigente.

Carlos Fontes

   
 
 

Entrada

História local
Guia do Lazer
Quiosque