Jornal da Praceta

Informação sobre a freguesia de Alvalade

(Alvalade, Campo Grande e São João de Brito )

 

  Comércio, Alojamentos e Serviços

O que Fechou e o que Abriu

Foram muitos os estabelecimentos que fecharam nos últimos dois anos na freguesia de Alvalade. A situação não foi todavia tão dramática como nas freguesias viradas para o turismo, para o que contribuiu também o aumento da população na freguesia e a própria pandemia que fez disparar o comércio local. Alguns destes estabelecimentos era previsivel seu encerramento, como o "Centro Comercial Roma" (fechado a 15/1/2021) ou o café-restaurante "Nova Lisboa" cuja existência se arrastava na indefinição do abre-fecha. Outros fecharam pelos mais diversos motivos, nem sempre honestos. Entre os novos estabelecimento destacam-se as gelatarias, lojas de compra de ouro, barbearias e cabeleireiras (em lojas). Os pequenos cafés só sobrevivem se tiverem esplanadas, a salvação de muitos estalecimentos. Foto: 17/08/2021

Entre os estabelecimentos que melhor tem resistido à crise provocada pela Pandemia estão asiásticos, como os do Abdul na Rua Afonso Vieira. Em pouco tempo, num raio de 50 metros abriram três estabelecimentos de bangladexes ocupando os espaços de outros estabelecimentos que fecharam. Foto: 18/08/2021

Farmácias

Alvalade possui possivelmente a maior concentração de farmácias de Lisboa, no entanto continuam a abrir novos estabelecimentos na freguesia. Assistimos ao "desempacotamento" de uma nova na Avenida do Brasil. Foto: 25/08/2021

Um Novo Hotel no Campo Grande

Numa altura em que o turismo caiu a pique devido à pandemia, pode parecer estranho que esteja previsto para 2021 a abertura de mais um hotel no Campo Grande. As obras nunca pararam na sua construção, espera-se agora pela retoma da atividade económica. Foto: 07/03/2021

 

Proliferação de barbearias

Alvalade está a encher-se de barbearias. O fenómeno é relativamente recente e por enquanto é inexplicável. A maioria dos novos estabelecimentos possuem uma forte imagem de modernidade, o que nem sempre acontece. Os donos desta barbearia na Av. de Roma, 56 A, com a pressa de a abrirem ainda não lhe deram nome. Foto: 19/02/2020

Lembra-se?

Ninguém podia imaginar que o Correio de Portugal (CTT) ficaria em poucos anos reduzido ao estado comatoso que se encontra. As causas para uns estão na difusão do correio electrónico e na concorrência das empresas de distribuição. Para outros está na gestão que se seguiu à privatização da empresa (Setembro de 2014). A sua única preocupação foi distribuir dividendos aos acionistas descapitalizando a empresa, transformar as estações de correio em agências bancárias e em reduzir custos operacionais (número de trabalhadores, estações, etc). A qualidade dos serviços dos serviços foi deteriorada assim como a imagem positiva dos correios em Portugal afastando destes modo os clientes.

Posto dos Correios (em parceria) no Campo Grande, nº. 384 Foto:21/01/2020

Após a privatização na freguesia de Alvalade fecharam duas estações, a primeira na Av. dos EUA e a última no Campo Grande (Janeiro de 2017). Numa freguesia com mais de 31 mil habitantes passaram a existir apenas duas estações, uma na Av. da Igreja e a outra na Rua João Saraiva. No número 384 do Campo Grande existe um "posto dos correios" em parceria.

Em toda a freguesia existem atualmente 16 "marcos do correio" mas que os moradores temem utilizar porque não sabem se estão abandonados.

Marco na Rua António Ferreira. Foto:Dezembro de 2019

"Funciona ?"

"Funciona?". Esta é a pergunta que mais se ouve junto ao "marco do correio" na Avenida dos EUA, próximo de Entrecampos. Na dúvida muitos são os que não o usam, por o julgarem abandonado. O aspecto do "moderno marco" é deprimente: coberto de grafites, papéis colados, apresenta um adiantado estado de degradação, devido à ausência de manutenção. Foto: 8/03/2021

 

 

Alvalade Cosmopolita

A abertura de lojas em Alvalade reflectem as vagas de imigração de Lisboa, uma cidade aberta ao mundo, cosmopolita.

Lojas e Restaurantes Indianos

Depois de 1974 e anos 80 abriram no bairro grande número de lojas de comerciantes indianos provenientes na sua maioria de Moçambique, dedicaram-se sobretudo ao ramo da papelaria, venda de jornais, moveis, aparelhos de uso doméstico, incluindo o seu arranjo. Os seus estabelecimentos nunca primaram pela decoração, o aspecto é quase de verdadeiros armazéns, onde os artigos são empilhados. 

   

Rua João Saraiva. Foto:17/01/2020

Lojas e Restaurantes Chineses

Nos anos 90 começaram a chegar os "chineses" dedicando-se no inicio à restauração. Proliferaram por todo o bairros restaurantes de comida chinesa. As antigas lojas de peças chinesas de qualidade desapareceram. A maioria dos restaurantes chineses tiveram que fecharam portas quando se colocou a questão da falta de higiene com alguns laboravam. Entretanto difundiram-se as chamadas lojas do "300" (escudos) que estão hoje largamente difundidas por todo o bairro, embora várias deles tenham já fechado. Os comerciantes chineses nos últimos anos têm diversificado os seus ramos ramos de negócio em Alvalade. As lojas são na sua maioria meros armazéns de produtos de baixo custo e fraca qualidade. Mais

Lojas de Paquistaneses e Bangladexes

Depois de 2011 tem-se assistido à abertura de lojas de paquistaneses e bangladexes que ocupam espaços antigas drogarias, padarias, cafés e de outros estabelecimentos que entretanto encerraram as portas. Vendem um pouco de tudo, desde bebidas alcoólicas até hortaliças, sem grandes condições de higiene, nem preocupações de arranjo dos estabelecimento, a maioria nem sequer tem nome. Abrem e fecham a um ritmo estonteante. A sua grande vantagem para os consumidores, à semelhança das lojas dos "chineses" é o seu horário: se tiverem clientes está abertos 24 horas por dia, 365 dias durante o ano.  

Uma típica loja de bangladexes em Alvalade. Os passeios em frente destas lojas são frequentemente ocupados com caixotes e todo o tipo de objectos, sem o mínimo cuidado com a higiene e a apresentação dos produtos.

Sem Nome ?

Lisboa vai-se enchendo de lojas que pelo seu aspecto abarracado, nem sequer merecem tal nome. Funcionam 365 dias por ano. Ninguém consegue perceber o horário de abertura ou de fecho. O que está afixado é meramente indicativo. Vendem o que der dinheiro, incluindo bebidas alcoólicas não importa a quem. Em alguns casos, como é o caso, fazem "estranhas" exigências: "Não é autorizada a entrada de pessoas sem bilhete de identidade. Na entrada tens que deixar também a tua morada (caso exista algum distúrbio será divulgada na polícia". Estamos perante uma "sala de jogos" na Rua Afonso Lopes Vieira, 54A (Março 2017). O espaço é desde Dezembro de 2019 ocupado por um bordel.

 

 

Comércio Tradicional

Os mais antigos estabelecimentos da freguesia de Alvalade tem desaparecido, mas felizmente muitos e bons)continuam a resistir, como a Perfumaria Celta (1947), Boa Ideia (1951), Mariazinha, Drogaria Ribalta, Riviera, Cafélia, Carlos das Franjas, Os Courenses, Farmácia Cartaxo, Nova Lisboa e outros. Conheça o nosso roteiro. Mais 

Mercados de Alvalade

Parque Infantil no Mercado de Alvade. Foto: Agosto, 2017

 

A Os dois mercados de Alvalade depois de décadas de decadência estão finalmente a mudar. A Junta de Freguesia de Alvalade está aposta na sua renovação e em atrair clientela. Conheça as mudanças Mais.

Hipermercados

Continente. Rua Acácio de Paiva, 22

Depois de mais um Pingo Doce,

chegou a vez do Continente se instalar em Alvalade

 

A actual freguesia de Alvalade conta desde o dia 10 de Outubro de 2013, com mais um supermercado, em plena Praça de Alvalade, no remodelado Centro Comercial de Alvalade. Desde o dia 21 de Março de 2014 conta também com um hipermercado Continente.

O assunto não merecia nenhum destaque especial não fosse a ameaça que constituem estas redes de supermercados para o comércio tradicional.

À semelhança do que aconteceu em outras áreas do bairro, sempre foram abertos supermercados, fecham logo a seguir vários estabelecimentos de comércio tradicional.

As ruas perdem vida, a insegurança aumenta, e todos se lamentam. O consumidor fica a ganhar (preços eventualmente mais baixos), mas o munícipe assiste à morte lenta da vida nos bairros e na cidade.

 

Animação - Promoção

Ao longo do ano muitas são as atividades de promoção do comércio de Alvalade. Mais

Fecharam as Portas

Eram oficinas, lojas, cafés e restaurantes e outros estabelecimentos emblemáticos da Freguesia de Alvalade. Fecharam as portas pelos mais diversos motivos. Existem agora apenas nas nossas memórias. Mais

 

Editorial

Entrada

História local
Cultura
Quiosque